Meu filho é consumista?

Família e Escola

24 de novembro de 2021

Redação Guia do Futuro
Redação Guia do Futuro

Equipe apaixonada por educação, produzindo conteúdos voltados para pais que querem fazer a diferença na formação dos filhos!Publicado em . | Atualizado em 24 de novembro de 2021.


Conheça os principais hábitos para combater o consumismo infantil e que contribuem para um consumo consciente.

Com Black Friday e festas de fim ano se aproximando, a expectativa por adquirir algo novo aumenta, sendo um gatilho para compradores compulsivos. Em uma sociedade onde o ter é mais importante do que o ser, nota-se um consumo descontrolado em tudo: dinheiro, imagem, roupas, perfumes, adornos, grifes, amor, sexo e substâncias lícitas e ilícitas.

Crianças e adolescentes são os mais vulneráveis por estarem cada vez mais expostos, sendo a comunicação mercadológica uma grande influência no processo de construção da sua identidade. O problema é que os mais jovens ainda não possuem o aparato psíquico desenvolvido o suficiente para lidar com essa avalanche de estímulos, entrando num ciclo insaciável de necessidade urgente e satisfação momentânea .

Especialistas alertam sobre as consequências relacionadas ao consumismo na saúde mental e física do público infanto-juvenil. Dentre elas estão:

  • o estresse familiar,
  • obesidade infantil;
  • erotização precoce;
  • reações agressivas;
  • transtornos de comportamento;
  • consumo precoce de tabaco e álcool.

Portanto, não podemos deixar de tratar o assunto com cautela e para isso convidamos você a seguir conosco na leitura.

O poder de influência

Os dados do estudo “Crianças brasileiras”, realizado pelo Instituto Locomotiva em parceria com a Dotz, retratam a influência dos pequenos nos hábitos de consumo dos pais. A pesquisa aponta que 88% dos responsáveis são influenciados pelos filhos quando estão fazendo compras no shopping ou no supermercado. O levantamento também mostra que 70% dão mais importância para as marcas dos produtos usados pelos seus filhos do que para eles próprios.

Considerando o peso que exercem sobre o orçamento familiar, as crianças estão no centro das estratégias de marketing das grandes marcas do varejo, não apenas porque escolhem o que seus pais compram, mas porque tendem a ser mais fiéis a marcas quando impactadas desde muito jovens. Basta uma ida ao shopping para perceber o aumento substancial de ofertas de produtos e entretenimento direcionadas ao público infantil.

Além do bombardeio publicitário na mente dos pequenos, às vezes o problema é ampliado dentro de casa. A correria do trabalho faz com que a maioria dos pais tenha menos tempo de qualidade com a família e assim, ao tentar compensar a ausência com presentes fora de época, prejudica a compreensão do seu filho que passa a dar mais valor aos objetos e não às relações familiares.

Os adolescentes são os que mais gastam tempo diante das redes sociais e, por terem o estilo de vida das suas celebridades favoritas como inspiração, tornam-se alvo fácil para o mercado de influência. Em estudos recentes sobre o comportamento de consumo por gerações, os principais fatores que levam os jovens a consumir uma determinada marca são: definição da sua identidade, afirmação social e carência emocional. Quando não conseguem preencher os requisitos para serem aceitos no grupo, muitos sofrem bullying e acabam isolados pelos colegas.

Cabe aos pais se anteciparem a estes fatos, manter o diálogo e ajudar seu filho a lidar com os conflitos de uma forma mais leve. Crianças que recebem atenção adequada se sentem mais seguras e enfrentam momentos de crise com mais facilidade.

Como evitar que seu filho seja consumista

A questão é que os efeitos a médio e longo prazos são muito prejudiciais. Então, o desafio passa a ser encarar o problema e buscar reverter o padrão consumista incentivado pela nossa sociedade. Confira abaixo alguns hábitos que podem contribuir para a construção de um consumo mais consciente.

A força do exemplo

Ser um bom exemplo é fundamental para estimular seu filho a ser um consumidor consciente. Por isso, se você tiver hábitos de compra ruins, com certeza ele seguirá o mesmo caminho.

Ao negar um pedido de compra por falta de dinheiro, é importante deixar claro que há uma reflexão para a escolha, sendo uma chance de expor o que é prioridade e o que é desnecessário para aquele momento. Portanto, existe diferença entre dizer apenas “não vou comprar, não tenho dinheiro” e “não tenho dinheiro para isto, meu dinheiro é para outra coisa”.

É preciso uma mudança total de comportamento de toda a família e para incentivar, separamos três sugestões práticas:

  • reforce o quanto você pensa antes de fazer uma compra;
  • evite ficar acumulando muitas coisas;
  • demonstre como boa parte da renda vai para itens essenciais.

Junto a isso, a educação financeira familiar é uma forte aliada para criar o exemplo a ser seguido, ajudando no processo de organização do orçamento e promovendo uma relação saudável com as finanças.

Educação financeira

Ainda que seja essencial aproveitar intensamente a infância, ensinar sobre o valor das coisas e como conseguí-las com responsabilidade é fundamental para que não se tornem adultos endividados e compradores compulsivos.

Conversar sobre finanças, com o tom adequado para a idade, é inevitável numa sociedade cada vez mais consumista. Não adianta dar mesada e não orientar sobre como fazer o uso ponderado do dinheiro.

Um dos principais ensinamentos da educação financeira é que, para comprar o que se deseja, será preciso abrir mão de algo. Tal atitude auxilia no desenvolvimento do senso crítico e reforça a noção de prioridade para a criança.

Em linhas gerais, educação financeira serve para:

  • compreender o que é valor e de onde vem o dinheiro;
  • ter percepção do que é caro ou barato;
  • aprender a poupar;
  • aprender a fazer melhores escolhas;
  • entender a importância de cuidar do que temos;
  • como evitar desperdícios.

Se quiser mais informações, leia nosso artigo e saiba como dar os primeiros passos na educação financeira do seu filho.

Estabelecendo limites

Para os pais que passam muito tempo ausentes trabalhando, negar um pedido do filho não é uma tarefa simples. Saber dizer “não” e deixar o pequeno experimentar a frustração, contribui para o seu desenvolvimento psicológico e consequentemente se tornará um adulto mais pronto para enfrentar a vida.

A recomendação é que seja transparente com seu filho a respeito das compras. Por exemplo: quando passar em frente a uma loja e ele fizer um pedido o qual não poderá atender, não diga  “na volta a gente compra”. Apresente a verdade dizendo algo como “não vou comprar”, “você não precisa”, “não tenho dinheiro” ou “você já tem isso”. O importante é deixar claro o real motivo.

Uma criança que não entende os limites da realidade, inclusive do dinheiro, será um adulto incapaz de compreender que ninguém tem tudo o que deseja. Logo, será alguém com dificuldades em manter relacionamentos, incapaz de lidar com suas inseguranças e com seus fracassos em projetos profissionais e pessoais.

O combinado não sai caro

Para ajudar a fugir dos apelos e reduzir os pedidos por impulso, vale conversar sobre qual é o objetivo do passeio e combinar com seu filho como será realizado, mas faça isso sempre antes de sair de casa. Conversar previamente pode evitar desgastes e as famosas birras.

Por exemplo: um acordo de que a ida ao shopping é apenas para comprar o presente do amiguinho ou combinar quantos e quais itens o pequeno poderá incluir na lista do mercado.

Se houver insistência, dizer “não” faz parte do processo educativo e pode ensinar a criança a lidar com frustrações futuras.

Definir o tempo de tela também é importante, pois a medida em que elas acessam a internet, ficam expostas a conteúdos apelativos que estimulam o desejo por consumir algo. Em nosso texto “Uso de telas na infância: o que você precisa saber”, conheça as principais recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Consumo consciente

importante para demonstrar que o valor da vida não está no que tem preço, mas nas relações e nos pequenos prazeres cotidianos.

Uma maneira de construir o consumo consciente é abordar sobre o seu impacto no meio ambiente. Quando a criança se conecta à natureza, é gerado um vínculo importante de afeto que resultará no respeito e cuidado. Permita ao seu filho explorar o potencial lúdico da natureza, passear em bosques e procurar pequenos tesouros como pinhas, pedras e conchas de caramujos vazias. Elementos naturais podem render brinquedos criativos, presentes feitos pelas próprias mãos ou pequenas coleções.

Diversão pode custar pouco

Uma maneira de desconstruir a cultura do ter é utilizar o tempo livre para desenvolver atividades que envolvam a família ou os amigos. Aproveite o momento para mostrar que é possível se divertir através de experiências simples.

Opções não faltam e algumas sugestões são:

  • roda de violão com as canções favoritas;
  • jogos de tabuleiro;
  • piquenique;
  • acampamento em casa;
  • montar uma sessão de cinema em casa;
  • festa do pijama e tantas outras.

Grandes agências de publicidade aproveitam datas comemorativas para associar demonstração de carinho a um bem de consumo. Portanto, é importante romper esse entendimento e estabelecer conexões de afetividade por meio de experiências que fortalecem os vínculos e incentivam relacionamentos.

Faça você mesmo

O que não falta são tutoriais na internet ensinando a fazer algo. Incentive a confecção de um presente, seja para uso próprio ou para alguém, aproveitando esse momento para desenvolver habilidades manuais e soltar a imaginação. O prazer de ver algo feito com as próprias mãos não tem preço!

É uma atividade que pode ser aproveitada para trazer questões a respeito da geração de resíduos e sobre os conceitos de reduzir, reutilizar e reciclar. Exercite o lado lúdico da criança buscando dar um novo uso para objetos que iriam para o lixo como caixas, rolhas, vidros de conserva e retalhos. Ou a partir de materiais naturais coletados durante uma caminhada ao ar livre como gravetos, folhas, sementes, conchas ou pedras que chamem a atenção do pequeno.

Desapego através da troca de brinquedos

Visitar uma feira de trocas de brinquedos é uma ótima saída para evitar o consumo desenfreado, além de incentivar o desapego ao trocar um objeto que não usa mais por outro, sem gastar e sem impactar o meio ambiente.

As feiras de trocas no Brasil cresceram a partir de uma iniciativa do Instituto Alana e fazem parte do programa “Criança e Consumo”. A proposta é estimular a socialização e desconstruir conceitos consumistas.

O estímulo à troca de brinquedos contribui para que a criança:

  • desenvolva a visão de um mundo colaborativo;
  • pratique a argumentação quando precisa convencer o colega a fazer a troca;
  • aprenda a lidar com a frustração quando não consegue o item de desejo;
  • exercite a compaixão e empatia.

É uma experiência rica e uma maneira lúdica de refletir sobre os conceitos básicos de reutilizar e reciclar. Se quiser saber as datas ou até mesmo como organizar a sua feira, o programa disponibiliza em seu site informações e materiais de apoio.

Doação

A percepção de valores como empatia, solidariedade, amizade e gratidão pode ser construída desde a infância através do hábito de doar para aqueles que mais precisam.

Para começar, lembre-se de que o pequeno assimila novos aprendizados pela imitação. Portanto, o ideal é que os pais realizem a ação de doar para que seu filho compreenda a importância de repassar algo que poderá ter um uso melhor em outra família.

Como a prática de doação envolvendo toda a família tem aumentado, algumas entidades de caridade passaram a criar eventos com a finalidade de gerar um vínculo emocional entre o doador e quem receberá, geralmente em datas comemorativas como Dia das Crianças e próximo ao Natal. Essa aproximação gera a humanização de ambos os lados e, no caso dos pequenos, pode ser uma oportunidade para apresentar outra criança com uma realidade diferente da dela.

Como exemplo, temos no país o Dia de Doar Kids, movimento que tem como proposta promover a gentileza e a generosidade junto ao público mais jovem. Conheça a plataforma do projeto contendo dicas e inspirações para ensinar os pequenos sobre doação o ano inteiro.

Cultive valores humanos

Desconstruir o consumismo, ainda que a família tenha condição financeira favorável, é primordial para ressignificar nossa relação com o tempo e o prazer. Não se trata de negar um presente ou privar de certos benefícios, mas de educar a ter respeito ao meio ambiente e a cultivar a solidariedade.

É através da construção de um relacionamento baseado na confiabilidade e amor, que pais ensinam aos filhos valores humanos como autocontrole, respeito ao próximo, empatia e honestidade .

Educar uma criança a consumir com consciência é tão importante quanto ensiná-la a escovar os dentes ou a dizer “por favor”. Crianças que aprendem os limites do dinheiro se tornam adultos mais seguros e felizes, pois sabem que é mais importante ser do que ter.

Call to Action

Detalhe do Call To Action para Download do Material

Deixe um comentário

Artigos relacionados


Share via
Copy link
Powered by Social Snap

Seu futuro começa aqui

Cadastre-se para receber os melhores conteúdos sobre educação!